Trechos Opcionais

Uma coisa que as pessoas mais me alertam sobre meu projeto são trechos que passam em lugares pouquíssimos habitados ou até não habitados.

Por isso, gostaria de começar destacando sobre a importância de ponderar a relevância de cada trecho de malha do metrô discutido. Na maioria de toda a malha, isso exige muitos estudos de demanda, terreno e outras circunstâncias.

Em alguns casos, entretanto, é visível que, com elementos limitantes como falta de verba, alguns trechos poderiam ser deixados de lado em contraste com outros mais relevantes.

Gláucio Gil - Avenida Glicína: poucos habitantes

Porém, ainda há muitos benefícios presentes nesses trechos. Principalmente um dos trechos promoveria uma integração entre bairros nunca vista na história do Rio. O trecho de 21 km entre “Gláucio Gil” e “Campo Grande” na linha 4 ligaria Recreio e Barra a Campo Grande, que são separados pelo Maciço da Pedra Branca.

Dessa forma, acho devo esclarecer tudo ao acrescentar uma informação final. O que defendo não é apenas toda a malha ser feita ao mesmo tempo, já que não sou inocente a ponto de acreditar que haveria todo o investimento financeiro para a realização instantânea do projeto. Mesmo que haja, ainda deveria ser feito um plano diretor para organização da cronologia e responsabilização das autoridades. Logo, naturalmente alguns trechos seriam sobrepostos a outros, de acordo com a relevância e o urgentismo presente em cada um.

07/09/2011: Editei um pouco o post porque houveram pequenas modificações no projeto geral.

Anúncios

7 Respostas para “Trechos Opcionais

  1. Prezados,

    1) a promessa inicial de compensação pelo uso da extinção de parte do ramal de R´ouro dqa EFCB/RFFSA/Flumitrens etc, era o metrô seguir de Pavuna até Belford Roxo / São Mateus / Nilópolis. Nada foi feito desta compensação. O metrô chegou no máximo, nas cercanias da Capital.

    2) Foi promessa de campanha do SCF no primeiro e segundo mandato fazer dos ramais da Supervia, metrô de superfície. Inves disto, preferiu enterrar bilhões na reforma do maracanã.

    3) Outra promessa seria a extensão do metrô, partindo da estação da Carioca, até Niterói (via túnel sob a Baía de Guanabara) e de lá até Itaborai. Mas uma vez, preferiu levar o metrô em direção à Barra da Tijuca, via zona sul. Tornando a capital fluminense uma Bélgica e o restante da região metropolitana uma somália.

    O fato relatado pelo nobre proprietário deste blog de quê haveria necessidade de uma demanda para a imnplantação do metrô, cai por terra quando analisamos a questão do adensamente populacional da capital (favelas e mais favelas) e um enorme vazio após determinados bairros da zona oeste, depois da Posse em Nova Iguaçu, no fundo e entorno da baía: Magé, parte de Caxias, Guapimirim, Itaborai e São Gonçalo. Ora vejamos qual patrão paga uma passagem entre R$6,00 a R$12,00 para funcionários pouco qualificados se eles podem contratar os moradores de favelas próximas? Qual o estímulo de morar nestas localidades e levar 3 ou mais horas para chegar ao trabalho?
    É justamente o contrário, deve-se implementar transporte metroviário eficiente que heverá um novo ordenamento urbano natural.

    Enquanto tivermos políticos que em campanha prometem e quando eleitos não cumprem, ou fazem exatamente o oposto da promessa, esta situação perdurará.

    Andre

    • Sim e não. Não adianta construir vias em locais onde não é aconselhável que haja adensamento! Guaratiba é um bom exemplo de local onde haveria demanda se houvesse um sistema eficiente de transporte para o Centro, mas é desaconselhável o investimento afim de preservar a região (que possui ecosistemas únicos no mundo). Também não adianta defender a expansão entre regiões onde não haja potencial de viabilidade econômica, como no trecho Campo Grande x Recreio (que só terá viabilidade quando os dois bairros se desenvolverem como centralidades regionais, enquanto forem bairros essencialmente residenciais, é jogar dinheiro fora).

  2. Parabens pela iniciativa,e continue assim pois o país carece de jovens de mente aberta de visão de longo prazo. Também sou jovem e sempre me interessei por soluções de transporte de massa, sobre trilhos.O projetos das linhas de metrõ é bem eleborado e ousado, mas embora leigo(por enquanto)proponho algumas sugestões:
    -Há mesmo necessidade de ligação entre Campo Grande e Recreio através do Maciço da Pedra Branca? Essa idéia poderia ser substituida por uma ligação entre Campo Grande, Bangu, Realengo alcançando a Taquara onde seria a tranferencia para a linha Alvorada – Galeão e a expasão da linha 1 que viria da Tijuca através do Andaraí, Grajaú, Méier, de onde haveria um túnel sob o Maciço da Tijuca, alcançado a Freguesia ,Pechincha até a Taquara.Assim haveria uma conexão metroviária da Zona Oeste com a Zona Norte e o Centro aravés dos maciços da cidade, evitando o máximo de desapropriações

    • Oi isac.
      Essa sua solução é quase IDÊNTICA à minha Linha 10! Como disse no post essa ligação Recreio-Campo Grande é opcional e seria totalmente ligada a demandas futuras.
      Obrigado pela força! Sempre volte, o projeto vai mudando principalmente com novas ideias fomentadas por opiniões dadas por outras pessoas, como você fez.
      Estou juntando material para fazer um post sobre o que eu acho de mais prioritário na minha malha.

      Um abraço

  3. Pingback: Informações sobre a Atualização | Quero Metrô!

  4. Olá Pedro

    Em primeiro lugar, parabéns pela iniciativa, bem completa, com mapas, tempos prováveis e muitas outras coisas.

    Em minha opinião leiga, o projeto de metro que o blog propõe tem um erro de concepção geral, que é o de linhas muito longas, abdicando do conceito de rede de metro.

    Algumas chamam a atenção claramente:

    Linha 4- Pq a mesma linha tem que ir do Centro a Campo Grande via Barra? O trecho Alvorada Campo Grande é uma linha a parte.

    Linha 5- achei totalmente fora de propósito uma segunda ligação para a zona sul partindo da Barra, ainda mais numa linha que liga a barra ao aeroporto via jacarepagua. Quem vai do aeroporto para o leblon, por exemplo, jamais deveria usar essa linha.

    As linhas 7 e 9 também deveriam ser quebradas em trechos, pois para mim não fazem sentido.

    A ideia de redes é que se escolham pontos de referencia na cidade. Alguns deles já existem, como a Central, a Carioca, Alvorada, Madureira, Campo Grande, Tom Jobim etc. E ir fazendo linhas ligando esses pontos de referencia.

    Por questões geográficas, o Rio é um 8 deitado; ou melhor, um quadrado com diagonáis. O projeto de transporte público deveria seguir esta geografia.

    Enfim, acho que tem muito a ser discutido. Eu particularmente sou simpático ao projeto mais simples e original da cidade, que inclusive já teve diversos dos seus trechos licitados (e modificados pelos políticos de ocasião).

    Um abraço!

  5. mas a glaucio gil é uma das avenidas mais importantes do Recreio… eu queria metrô por ali pra eu ir pra praia (posto 10) todo dia hauiahuaihauihau

    cara, você é o jovem mais progressista que conheço.. isso é um elogio!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s